Saltar a navegação

Botar a mão na máquina era da massa, praticidade elevada ao cubo para quem costumava passar limpo de manuscritos nas lidas com documentos e ficções, podem perguntar. Lembrei falando com Marko em sua Mostra itinerante de Histórias em Quadrinhos, ora na Feira do Livro, em andamento, de Canoas. Quem pensa que pensa em frente à telinha brilhante hoje em dia, compondo com posições, no jogo da notícia ou de produção dos eventos dignos de nota e comentários que marcam trajetórias históricas da mediação escrita de nossa tão humana venalidade.
Adiantar serviço é para levadas de amor à função, mais do que à própria funcionalidade, do ofício todo com seus ossos, calos, marcos na carnes. Melhor preparar de forma a poder tocar entrando no mérito para não desmoralizar, da questão que se faça de chamar “trabalho” o tema que se irá puxar em apresentação de pesquisa, ainda que possa ser indelicadeza fazê-lo problematizando o que a colega está preparando, ou questão ética. Também recomendações nas paradas de reportar compreensão ou problematização de letras não nos faltam, apenas tomamos como primal e efervescente o texto de criação oralizada, posto serem tratos básicos que me fazem falta, apesar de vivenciar um ramo de atividades profissionais apontada como já muito “oralizada”. A própria Escola elabora em termos de reflexão, ação e reflexão os pensamentos que se introduzem pisando “mais fundo” nos circuitos humanos em pauta.
O repertório da ação escolar fica na reedição de ritos genéricos, tradicionais? Há trilhas que não estão muradas neste labirinto, com certeza, como muitos trabalhadores aprisionados, mas “nosso” assunto é o dos olhares que se prendem às luzes erradas, demônios da perversidade, ralando e lixando os luxos, deixando de lado os lixos, jogando as palavras no caldo todo e dando continuidade para o horror da moçada mais chinelona, digamos – de um magnetismo mais horroroso em curso nos circuitos de bandas podres e bandalheiras afins. Celebro o instituto em que estou ou estive, Escolas Públicas, sem deixar de investir em termos de grana alta, modestamente (e com grana da família, na verdade), na aprendizagem da ensinagem, e figuras eventualmente inspiradas da limpeza do estabelecimento, dinâmica e sonora, estética e intensa, incluindo uma responsável por adorno sobre o espelho de nossa sala dos professores, que ela achou nas ricas quinquilharias do estabelecimento ser um arabesco, realmente simétrico, com motivos de vegetação lembrando algum tipo art-nouveau também Amazônia e suas cidades na desolação das piratarias – arquitetadas por Brasília e na cumplicidade dos laranjeiros de grilagem, dentre outros personagens que estão sendo devidamente fichados por olhares ainda mais robustos e espertos (videm notícias sobre MP da grilagem a ser “decidida” por Lullinha paz&love ainda neste mês, e o que pensa (para citar um exemplo do lugar comum) nossa ex-ministra do meio ambiente).
Com Marko, curador da ampla e altamente qualificada Mostra de HQs do mundo, busquei limitar a exposição das vergonhas pessoais, sem colocar em causa a dignidade da cultura nossa, mas ele fez questão de garantir do texto de Jorge Furtado sobre os factóides midiáticos em torno de acervos das Bibliotecas nas Escolas como sendo motivo orgulho para gaúchos. De fato ele me presenciara querendo dar sermão no meu próprio pai, quebrando paus por sua opinião tão fortemente “ignorante”, e agora que acabo de ler a crônica, verdadeiro comentário sobre educação e polititica, do cineasta, posso me orgulhar ao menos em ter pensado nos mesmos cânones literários e criativos (é por isso que eles são canônicos? Shakespeare, Cervantes, Machado de Assis) entre outros escritos “apimentados” ou “temperados” dos “malucos” que “pintam” em tudo que é profissão mais letrada, nem digo venal, mas onde as pessoas registram objetivos e renovam determinação, sacam o que estão querendo, respeitam, tomam conhecimento, elaborando as diferenças, partilhando valores e reportando. Valeu o tema ponderado em balanço?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: